segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Azaleia

Sem mais
O que procrastinar
De preocupações
No escrutínio
Da mente
Só a dobradura
Do céu
Em pequenas estrelas
Entronadas a noite
Derribadas de dia
Para abrir lugar
Para o azul
Colado em postes
Iguais por toda
Abobada
Despreocupada e celeste.


Nenhum comentário:

Postar um comentário