sábado, 6 de outubro de 2012

Cabana (pop florestal)



Ai de mim
Embotado pela ideia
Da frugal
Cabanicula florestal
Que sobre a tela
Da retina dos
Meus olhos
Se interpôs
Anteontem
E, de pensar
Nessa simples despojadora
Da madeira escura
Com cheiro de
Tempo

Meu tempo
No laguinho para almoçar
E no silêncio
Que se não
Mais precisara dobrar
Do contrario
Se espraiara
Por todo canto
Dos meus olhos
Ate onde
Terminasse
A cama (na janela).


Nenhum comentário:

Postar um comentário