quarta-feira, 18 de abril de 2012

writing

Nostalgia acadêmica Tenho tido esta vontade inefável de por em forma grifada E por meio de palavras ou idéias, conceitos talvez, de tudo quanto. Se me impõe esta inquietação. Ainda que só para livrar-me Destes pensamentos. Preciso, desarte certo grau de anuência, extirpa-los. Da abobada de minha mente e por isso, Posto que boa parte dos meus coetaneos não se aproxima Sequer destas indagações, chego a triste faina. Da pobreza insólita, augusta que mo deram, o tempo e a vida. E deus talvez E também do quão responsável exigem que por isso eu me sinta Daí porque essa assaz volúpia por sobre tudo que tenho Observado por esses dias. A academia não se me surpreende Desarte a prolixidade tendenciosa e pouco profunda das Idéias dogmáticas, das quais espero expropriar-se-ão, bucólicas até. Que norteiam as realidades mecanicistas ou cartesianas destes meus pares Cientistas. Haja vista que tenho percebido o que me parece ser Um intrincado senso de recusa pela investigação e pesquisa Entregam-se,a laivos lânguidos,aos determinismos e fatalismos como que Por conforto pela procrastinação, trazendo para si mesmos essa catarse sedutora. De livrar-se-lhos do fardo mui pesado de pensar suas próprias idéias Afora isso à saber, da contígua concordância dos mestres,as vezes,num moto de não Por força inculcar-se-nos o livre construto loquaz e substancial por quanto Buscamos, alguns, mas apenas ajuntar pequenos comprimentos. Difracionarios duma determinada informação, sem qualquer preocupação. Com a aproximação, profundidade, apropriação, que tivéramos ou não e mesmo se compreendemos a miúde o que este ou aquele teórico edificou em sua timeline. Faz-se assim dianeticamente um movimento que se me parece um continuo ad-similis de modas e idéias, repetidas ad-absurdum, do que desumese minha dificultosa procura sequiosa por substancia e por amplitude de linguagens Contudo há que se reconhecer que donde, do ponto de vista, tenho observado tudo o mais. Quasimodo, acerca do quotidiano que tenho vivido,é mesmo muito diverso De outrora e aquém, ainda, do que se pode conceberem Todos os hambitos. A biblioteca tem-se mostrado singular e satisfeito em parte minha Bibliofagia .As pessoas tornaram-se devera mais asseadas no tocante a linguagem e tenho experimentado mesmo ,por vezes, o regizijo doce,do vernáculo acadêmico a da polidez suave aos ouvidos,sedentos por erudição e beleza,que se me tem sido dispendido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário