segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Requiem

Desconcertado

Peito fundo

Enlaçado

Cada parte disposta

Castiçal brilhante

Na idéia sozinha

Da chaminé

No fundo

Elástico

Suor insalubre

Montanha

Andor

Verbo cognitivo

Perdido

Chatauqua desigual

E se houvesse reparação na cabeça

Ereta pontual

Constante diluída

Vale sem sol

Barquinho desvelado

Como a flor

Que se envaidece

Da beleza incontida (não dita)

Sofrendo por amar

Feliz por sofrer

Sem amor sofreria idem

Sem sofrer amor ibidem

Apenas permanece

Fechada num armário

Sem luz

Sem azul

Sem flora

Sem nada  

Bem pior dissabor

No desamor sangrento

Clave na roda

Desigual

No couro piro grafado

Com opróbrio

Eu próprio

Com a força

Que me imaginas

Ansiar e querer

Na bolha

Sem chiclete

Um comentário: