quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Madrugada

E, teu néctar divino.

Cai sobre mim

Teu corpo moreno, molhado.

Estimulado

Escuto-te a noite

E vejo teus sons, vibrando.

Com teu batimento.

Os teus olhos

Olham-me agora

Castanhos poços d água amaralina.

Profundeza em que me perco 

Nenhum comentário:

Postar um comentário