segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Juntos

Estando junto conto-me

Pequenas mentiras

Frágeis e vãs

De que o tempo nunca existe

Agora e única eternidade necessária

Que somos como supernovas que

Logo antes de tornarem-se milhões

De pedaços luminosos

Brilham com toda força 

Nenhum comentário:

Postar um comentário