segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Eu e a chuva...

 A chuva cálida caia la fora

E mais ainda sobre mim

Se nest´hora ,fostes tu esta chuva

Eu vibraria e cantaria para ti

 E por longas noites me deliciaria

Dançando sob esta chuva

Mas de antemão á meu amor e

Prazer à chuva não és tu

 E insiste em cair

E tenta me acalentar com suas doces

Lagrimas aquecidas pelo ar

Mas não és tu

Ai  desvaneço, debruo-me de solidão

Pois  agora o calor  dela me faz ansiar                             

Por teu amor

Mas eu sei, só sei.

 Cai alquebrando minha força e resistência

Impondo-me  a verdade

Não estais aqui e não podes cair sobre mim

Ei de trocar essas lagrimas  acaloradas

Pujantes de amor

Por teu suor quente misturado ao meu

E teus lábios me cingirão as faces e a boca

E teu arfar ardente de vontade e desejo

Por vezes incontáveis

E seremos um

 A completa obra de nós mesmos

Um encontro entre universos

Então nada á saber

Nenhuma aresta á preencher

Apenas a extensão onipresente

Da vida

Um arauto de cumplicidade

Completa

E o mundo sem sentido vale a tentativa.

 (8:25 de um dia sem data) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário