segunda-feira, 22 de novembro de 2010

PEDAÇOS
Pequenos pedaços
Esparsos
Das muitas gotas que caem
Escorrem
Pelos cantos da boca
No humor fundo do teu olho
Vervente turbulência
autônoma
Que vai, levando sonhos
trazendo esperanças
Sem nenhum costume
Apenas panquecas que enchem a boca
Frivolidades nuas na face do teu rosto
Esvaem-se minhas incertezas .

Nenhum comentário:

Postar um comentário